WASHINGTON, DC - JANUARY 21: Linda Sarsour speaks onstage during the Women's March on Washington on January 21, 2017 in Washington, DC. (Photo by Theo Wargo/Getty Images)

A controversa ativista feminista e islâmica Linda Sarsour, organizadora da Women’s March, a marcha feminina contra Trump que teve a presença de ilustres hollywoodianos como Madonna, Emma Watson, Kristen Stewart and Amy Schumer, agora é acusada de abafar um caso de abuso sexual em seu escritório no Brooklyn.

Asmi Fathelbab afirmou ao blog The Daily Caller que um homem inúmeras vezes teria esfregado sua virilha junto a dela, enquanto ela trabalhava para a associaçãode Sarsour em 2009.

Quando reportada sobre o abuso, Sarsour, uma auto proclamada defensora dos direitos femininos, teria promovido um escracho à moça, ameaçando ela a ser incluída na sua “lista negra” de projetos políticos.

“Ela supervisionou um ambiente inseguro e abusivo para mulheres”, afirmou Fathelbab. “Mulheres que colocam ela [Sarsour] em um pedestal dos direitos femininos e de empoderamento merecem saber a verdade de como ela realmente nos trata.”

O Daily Caller falou com outras duas testemunhas que foram empregadas na mesma associação, nas condições de anônimas, e ambas corroboraram com o testemunho de abuso afirmado por Fathelbab e da intimidação promovida por Sarsour.

Comentários