Em verdadeiro escárnio à competitividade do esporte feminino, o primeiro transsexual a disputar a Superliga feminina já bateu a média de pontos por partida, mas médicos afirmam que a formação do corpo antes do uso de hormônios femininos lhe deram força de homem.

Tifanny Pereira de Abreu é o primeiro transexual a disputar a Superliga feminina de vôlei. Mas, depois de completar a transição de gênero, incluindo duas cirurgias de mudança de sexo, e ser liberada pela Comissão Nacional Médica (Conamev) da Confederação Brasileira de Vôlei (CBV), a atacante do Bauru (SP) tem a condição feminina discutida.

Segundo o médico João Granjeiro, coordenador da Conamev, responsável pela liberação da atleta para a disputa da competição mais importante do vôlei nacional, acredita que Tifanny não deveria atuar entre as mulheres:

— Ela nasceu homem e construiu seu corpo, músculos, ossos, articulações com testosterona alta. Nenhuma mulher, a não ser que tenha usado testosterona de origem externa ao organismo, conseguiria formar o mesmo corpo. É só olhar para a atleta, alta e muito forte.

João Olyntho, médico da CBV e responsável pela área clínica da Conamev, também é crítico em relação ao tema. Afirma que, se Tifanny apresentar alguma alteração nesses exames, o processo volta à estaca zero.

— Se a testosterona estiver acima desse limite, ela terá de parar de jogar e o processo volta ao início. Terá de apresentar novos exames durante um ano dentro das recomendações do COI. Só depois será liberada novamente — explica Olyntho. — Leva-se em consideração apenas o último ano em relação ao nível de testosterona. Mas e os outros anos todos na vida dessa atleta? Foram 30 anos.

O atleta anotou 70 pontos em apenas três partidas disputadas, e tem a maior média do torneio, com 23,3 por jogo. Tandara, do Osasco, que é a maior pontuadora pelo total, tem média de 19 por partida, já que esteve em quadra em 12 rodadas.

Tifanny começou a transição de sexo no início de 2013. Primeiro, tomou hormônios femininos, bloqueadores de testosterona, e, no ano seguinte, submeteu-se à primeira cirurgia. Há sete meses, refez o procedimento porque não havia gostado do resultado. Garante que agora “está maravilhosa”.

Durante o período de transição, chegou a jogar entre os homens, na Holanda e na Bélgica, mesmo já tendo assumido sua identidade feminina. Também já havia atuado na Superliga masculina. Sua primeira partida entre as mulheres foi em fevereiro, na segunda divisão italiana. Tifanny, que se sente “menina desde novinha”, conta que atualmente seu índice de testosterona está em cerca de 34,56 ng/dL, quantidade abaixo da de uma mulher em idade adulta (de 6 a 82 ng/dL). Para homens, essa indicação é de 280 a 800 ng/dL ( Endocrinologia e Diabetes. Ed MedBook, 3ª edição, 2014).

Comentários