A Coréia do Norte anunciou através de sua mídia estatal que irá desmontar seu sítio de testes nucleares semanas antes de se encontrarem com Donald Trump.

O desmonte envolverá a destruição de todos os túneis com explosões, bloqueios nas entradas e remoção de todas as instalações de observação, prédios de pesquisa e pontos de segurança.

Jornalistas de outros países, incluindo Estados Unidos e Coréia do Sul, estarão convidados a cobrirem o evento.

O sítio nuclear que será desmontado está localizado em Pukyung, e a área em volta de Pumyeong e o seu sítio de testes nucleares também será fechada.

Screen-Shot-2017-10-31-at-105309.jpg

O desmonte ocorrerá menos de três semanas antes do tão aguardado encontro em Cingapura entre o presidente americano Donald Trump e o ditador norte-coreano Kim Jong-Un.

No mês passado, Kim Jong-Un e o presidente da Coréia do Sul, Moon Jae-In concordaram em trabalharem juntos para livrar a península coreana das armas nucleares.

No último mês, cinco explosões em sítios nucleares de Pyongyang próximos ao Monte Mantap abriram um buraco na montanha que depois se desmoronou.

Pesquisadores também descobriram que o colapso criou uma chaminé que poderia permitir que a precipitação da zona radioativa subisse para o ar.

Agora, a inteligência americana mostrou que os norte-coreanos já começaram a puxar cabos nos túneis dos seus sítios de testes nucleares.

Nessa semana, três americanos mantidos como prisioneiros foram soltos pelo país comunista e mandados de volta para os EUA.

A escolha de Cingapura como o ponto do primeiro encontro da história entre um presidente americano e um líder norte-coreano foi muito por causa do tempo razoável de vôo e a distância de Pyongyang, considerando a neutralidade da ilha em relação a ambos, afirmou um oficial da presidência sul-coreana a repórteres.

Mas especialistas afirmam que o processo pode levar anos e custar centenas de milhões de dólares, de acordo com o periódico USA Today.

Olli Heinonen, um especialista em controle de armas na Fundação para a Defesa das Democracias, um think-tank de segurança nacional, afirmou: “Isso seria o maior feito junto à comunidade internacional em termos de desnuclearização ou desarmamento”.

John Bolton, conselheiro de segurança nacional de Trump, previamente afirmou que o desmonte do programa nuclear da Líbia de 2003 poderá servir como modelo.

Porém, o programa líbio não estava nem perto do avanço da Coréia do Norte e o país ainda não tinha armas estocadas.

Desde quando se tornou líder da Coréia do Norte em 2011, Kim somente fez uma viage ao exterior pelo ar – e isso foi no começo da semana para Dalian, na China, para conversar com o ditador Xi Jinping.

Ele voou no seu jato pessoal Ilyushin-62M acompanhado por um avião de carga que as pessoas de conhecimento dentro dos assuntos internos da Coréia do Norte afirmam que carregará sua limusine.

Porém, o Ilyushin-76 não pode voar mais do que 3.000km sem abastecimento se levar uma carga pesada. Terá de certamente parar em uma localização amigável como a capital do Vietnã em seu caminho para Cingapura ou voar com carga reduzida.

Fonte: Mirror.

 

 

Comentários

Deixe um comentário