Roseanne twittou que Soros tomou a propriedade de judeus, conforme admitiu em 1998

George Soros respondeu um tweet de Roseanne Barr, sobre ter confiscado propriedades de judeus durante a segunda guerra mundial, o que admitiu ter feito durante uma entrevista em 1998 com 60 minutos.

“A propósito, George Soros nazista que entregou seus companheiros judeus para serem assassinados em campos de concentração alemães e roubou sua riqueza – estava consciente de que?” twittou ela na terça-feira.

Captura de Tela 2018-05-30 às 14.33.31

O porta-voz dos Soros alegou que os comentários eram “um insulto” e “uma afronta ao Sr. Soros e sua família.”

“[O Sr. Soros] não colaborou com os nazistas. Ele não confiscou propriedades”, disse o porta-voz em um comunicado. “Tais alegações são um insulto às vítimas do Holocausto, a todo o povo judaico e a quem honra a verdade.”

No entanto, em uma transmissão de 20 de dezembro de 1998, de 60 minutos, Soros detalhou sua experiência na Hungria ocupada pelos nazistas, em que ele admitiu que trabalhou com seu “protetor”, que confiscou a propriedade de judeus.

Aqui está o vídeo deve ver: George Soros admite que ele tirou os judeus à propriedade: (vídeo na fonte original: https://www.infowars.com/george-soros-responds-to-roseanne-pointing-out-his-nazi-ties/)

60 minutos: você é um judeu húngaro…

Soros: Hum-hum.

60 minutos: que escapou do Holocausto…

Soros: Hum-hum.

60 minutos: se passando por cristão.

Soros: exato.

60 minutos: E viu muitas pessoas serem mandadas para os campos da morte.

Soros: exato. Eu tinha 14 anos. E eu diria que foi quando minha personalidade foi feita.

60 minutos: de que forma?

Soros: Deveria pensar no futuro. Deveria compreender e antecipar eventos e quando está ameaçado. Foi uma tremenda ameaça do mal. Quer dizer, era um — uma experiência muito pessoal do mal.

60 minutos: meu entendimento é que você saiu com este protetor seu que jurou que era seu pai adotivo.

Soros: Sim. Sim.

60 minutos: saiu, de fato e ajudou no confisco da propriedade dos judeus.

Soros: Sim. É isso mesmo. Sim.

60 minutos: quer dizer, isso parece ser uma experiência que iria enviar um monte de gente pro sofá psiquiátrico por muitos, muitos anos. Foi difícil?

Soros: Não, não tudo. De modo algum. Talvez como uma criança não — você não vê a conexão. Mas era — não criado — não tem problema algum.

60 minutos: nenhum sentimento de culpa?

Soros: não.

60 minutos: por exemplo, que, “Eu sou judeu, e aqui estou, assistindo essa gente ir. Eu poderia simplesmente estar lá. Eu deveria estar lá”. Nada disso?

Soros: Bem, é claro eu — eu poderia estar do outro lado ou eu poderia ser o único de quem a coisa está sendo levada. Mas não havia sentido que eu não deveria estar lá, porque isso era — bem, na verdade, de uma forma engraçada, é como nos mercados — que, se eu não estivesse lá, claro que outra pessoa estaria e iria levá-lo de qualquer maneira. E foi o — se estava lá ou não, eu era apenas um espectador, a propriedade foi sendo levada. Então eu não tinha qualquer papel em tirar essa propriedade. Então eu não tinha senso de culpa.

Observações de Soros tornam claro seu papel em aderir e se juntar a um burocrata húngaro que confiscou propriedades de judeus perseguidos pelos nazistas.

Além disso, de acordo com o pai de Soros, Soros “até ajudou com o inventário” tal como consta da autobiografia de 1965 do seu pai “Masquerade: Dancing Around Death in Nazi Occupied Hungary.” (“Disfarçado: dançando em torno da morte na ocupação nazista da Hungria”, em tradução livre)

Captura de Tela 2018-05-30 às 14.33.04

Fonte: Infowars

Comentários

Deixe um comentário